Arquivo | se isso não é amor RSS feed for this section

12 de junio de 2011

10 ago

es que te quiero
como la mar
quiere el atardecer
como los ojos
buscan brillo en otros
como el cuerpo desea
el calor de una caricia

Anúncios

y así es

30 jan

“Siempre he creído que en la vida hay personas que te alimentan, que te quieren y que necesitas de tal manera que cuando los pierdes nadie puede llenar ese vacío.”

– Si tu me dices ven, lo dejo todo. Pero dime ven, Albert Espinosa.

 

que saudade, vovó!

as pequenices cotidianas

20 nov

Those little idiosyncrasies that only I knew about. That’s what made her my wife. Boy, and she had the goods on me too. She knew all my little peccadillos. People call these things “imperfections,” but they’re not. That’s the good stuff. And then we get to choose who we let into our weird little worlds. You’re not perfect, sport. And let me save you the suspense. This girl you met, she isn’t perfect either. But the question is whether or not you’re perfect for each other. That’s the whole deal. That’s what intimacy is all about. Now you can know everything in the world, sport, but the only way you’re findin’ out that one is by givin’ it a shot.

Good Will Hunting, 1997.

Good Will Hunting

20 nov

Engraçado como as coisas acontecem, como se desenrolam, como dependem uma das outras, como estão intimamente ligadas. Se eu não conhecesse um menino, nunca assistiria ao filme que um amigo me indicou, tanto tempo atrás.

E aí que é bom mesmo. Surpreendente como Ben Affleck e Matt Damon escreveram esse roteiro incrível que Gus Van Sant dirigiu. Ganharam o Oscar por ele, na época. 1998? Eu tinha 10 anos e sequer sonhava que… nossa.

Mas melhor do que tudo isso, mais interessante do que tudo isso, é como um filme pode falar diretamente a mim. Não a todas as outras pessoas que já o viram, mas a mim. Como se os diálogos tivessem sido escritos para que hoje, 20 de novembro de 2011, eu os ouvisse. Adoro essa identificação que a arte proporciona. Em qualquer forma que seja.
É o que a faz tão especial.


Will : I know what I’m doin’. Yeah. Don’t worry about me. I know what I’m doin’. Yeah, but this girl was, like, you know, beautiful. She’s smart. She’s fun. She’s different from most of the girls I’ve been with.

Sean : So call her up, Romeo.

Will : Why, so I can realize she’s not that smart. That she’s fuckin’ boring? You know, I mean, you don’t– This girl’s, like, fuckin’ perfect right now. I don’t wanna ruin that.

Sean : Maybe you’re perfect right now. Maybe you don’t wanna ruin that. But I think that’s a super philosophy, Will. That way, you can go through your entire life without ever having to really know anybody.

2 de 2

29 out

É simples, sou tua.
Quisera não ser, ter forças para escapar
Das amarras invisíveis que me prendem,
Do vazio que esmaga minha alma
E esmigalha meu corpo.
Sou tua.
Sou inteira apenas quando escuto teu riso.

 

11.07.09

1 de 2

29 out

Está claro como minha pele
Mas ainda que olhe, não vejo.
O turbilhão de emoções que me trouxeste
Foi-se pelo mundo afora.
Contigo.
Está nas curvas perigosas
De que tanto gostas,
Foi na velocidade que eu desconhecia.
Sou tua.

 

11.07.09

José e Pilar

5 nov

O amor não resolve nada

O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoal, e alimenta-se do respeito mútuo. Mas isto não transcende o colectivo. Levamos já dois mil anos dizendo-nos isso de amar-nos uns aos outros. E serviu de alguma coisa? Poderíamos mudá-lo por respeitar-nos uns aos outros, para ver se assim tem mais eficácia. Porque o amor não é suficiente.

“Saramago, el pesimista utópico”, Turia, Teruel, nº 57, 2001

*Estreia hoje o documentário de Miguel Gonçalves Mendes (pelo menos em São Paulo, Curitiba atrasada ihul), depois de três anos acompanhando a rotina desse casal inspirador. Imperdível. E será mesmo que o amor não é suficiente? Eu ando me perguntando, afinal, o que é amor?

Soneto do Amor Total

16 set

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade..
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes (Rio, 1951)

– um dos que eu sei de cor.

Se nada mudou com o passar dos anos

14 set

Eu tenho um amigo que não vive sem música. Ele foi, inclusive, minha fonte de artistas novos e bons e ruins e médios e ótimos que escutamos juntos por um bom tempo (os ótimos e bons, até hoje – às vezes uns ruins e médios). Quando comecei a dar meus passos musicais sozinha, ele passou de fonte pra comentarista e consultor. Engraçado como mesmo depois de tanto tempo uma determinada música consegue transportar a gente prum lugar específico, cheiro, cor… essa delícia “Case-se Comigo” me lembra dos meus 17 anos.

E como se nada mudasse com o passar dos anos, a Paula de 17 anos se acha em 2010 com Thiago Pethit, na linda “Mapa-múndi”, que canta amor assim como Vanessa quando entoa “seja meu príncipe, meu homem, meu hóspede, meu marido”.

sem contar que, por favor, posso morar nesse clipe?