Archive | texto RSS feed for this section

fim.

11 nov

Imagem

Pisquei os olhos e terminou. Dei abraços, ouvi as melhores palavras, disse adeus, chorei. Fim. Mais um. Agora, parece que me falta aquela coragem toda que enchia o peito umas semanas atrás – agora, só sinto saudade.

La memoria guardará lo que valga la pena. La memoria sabe de mí más que yo; y ella no pierde lo que merece ser salvado. – Eduardo Galeano, em Días y noches de amor y de guerra.

12 de junio de 2011

10 ago

es que te quiero
como la mar
quiere el atardecer
como los ojos
buscan brillo en otros
como el cuerpo desea
el calor de una caricia

uma

8 dez

Às vezes é mais do que eu posso suportar.
E aí desce uma só.
Solitária, sem pressa.
Longa.

Uma lágrima que reúne tanto, mas tanto.

escrever

4 dez

construir poemas à força
rasgar a folha com versos
impingir às coisas mistérios
então cobri-las de nomes
lutar contra o impulso
morder os dentes e o punho
saltar
linha após linha
até que o poema se dê por exausto

Marcos Prado – Ultralyrics, p. 45

rubor

20 out

I can’t help it if my capillaries are close to the skin.

 

 

pero me gustaría.

rubens paiva

16 out

A dor é boa para criar. Para criar a alegria não serve para nada.

 

Não poderia ter explicado melhor. Aqui.

 

el alma

15 out

Es tan guapo y tiene unos ojos tan dulces que a veces me duele el alma.

 

o que eu quero

10 set

Eu penso muito no que eu quero. E como é difícil definir, especificar, dizer com detalhes e nuances o que é que desejo.  E é porque eu não sei. Não sei mesmo. Às vezes penso que tudo bem não saber, tudo bem me sentir perdida, tudo bem, eu só tenho 23 anos, eu ainda tenho tempo… tenho mesmo?

Que desespero.

Só sei de uma coisa, que quero de qualquer jeito, por favor, que eu consiga, que venha, que apareça – a doçura no olhar.

que alguém me olhe, um dia, com doçura no olhar.